Autor

13 de maio de 2011

Família decide eleições.

Não, não será o tema "família" que irá definir o vencedor das eleições, nem tão pouco as ditas "famílias" políticas da direita à esquerda. Não vale a pena divagar muito. A ideia é simples. Serão os partidos dos manos Portas a definir o futuro governo.
O partido de Paulo Portas a situar-se entre os 13% e 18% e o partido do mano Miguel Portas a ficar abaixo dos 7%, farão com que o PS seja o partido mais votado nas próximas eleições.

A ideia mirabolante apresentada hoje por Paulo Portas no debate com Passos Coelho, de que, os partidos de ambos,  ao conseguirem percentagens na casa dos vinte e tal por cento poderiam formar um governo de maioria mais facilmente,  é uma tonta jogada política para colher mais votos. O país não entenderia nem aceitaria que o partido mais votado, neste caso o PS, não formasse governo!
Por seu lado o partido de Miguel Portas, para que mais tarde não seja acusado de ter dado o poder à direita, optou pelo "masoquismo" e perdeu o vigor de outros tempos.

Com a actual tendência dos pequenos partidos de esquerda, frágeis, com o pequeno partido de direita, forte, e com os partidos grandes, praticamente empatados, não será difícil que o núcleo duro de fiel votantes interessados no PS consigam manter o partido no poder.

1 comentário:

Je disse...

Se José Sócrates ganhar as eleições é porque sempre há 6 milhões de benfiquistas, os mesmos que confiaram em Vale e Azevedo!