Autor

14 de agosto de 2011

Um projecto de ADD – três sentenças, nenhuma coerência.





Com o Projecto de ADD apresentado, o MEC mais não fez do que decidir sobre a ADD com três sentenças diferentes consoante o poder de reivindicação dos intervenientes. Assim:

-  haverá aqueles (a partir do 8º escalão - 40 mil) que ficarão isentos;

- haverá aqueles (restantes professores do quadro) cujo ciclo avaliativo será "indexado" há duração do escalão (podendo mesmo ultrapassar os 4 anos devido ao congelamento da carreira); 

- haverá aqueles (professores contratados) que serão avaliados todos os anos, podendo mesmo ser avaliados mais do que uma vez por ano, no caso de terem mais do que um contrato de duração superior a seis meses.


É este o exemplo de Educação que o MEC quer deixar aos nossos alunos?


Fazer, e fazer aplicar legislação diferente para pessoas professores iguais, moldar a legislação em função do incómodo que lhe possa criar, são estes os valores que o MEC quer transmitir?


Relembro que o Ministério é da Educação, não é do Ensino.


"Bem prega Frei Tomás, faz o que ele diz, não faças o que ele faz."

1 comentário:

Ilídia Pinheiro disse...

..
Não são bem professores iguais. Os professores contratados têm por natureza a vida mais dificultada, para além de poderem ter horários temporários ainda podem ser incompletos. Há situações em que ensinam em mais do que uma escola. A avaliação devia ter parâmetros adequados a essa realidade. Verifica-se exactamente o contrário. São os mais avaliados e pelos mesmos indicadores. Aparentemente ninguém os defende. São as cobaias da ADD.