Autor

sábado, 7 de Maio de 2011

Os sindicatos docentes e a “troika”.

E se uma das medidas da “troika” fosse a de fundir sindicatos docentes?
Poupava-se muito mais do que à partida possa parecer!

Mais! Se cada um de nós tivesse uma espécie de FMI dentro de si, com certeza que, depois de uma análise custo/beneficio/coerência, o primeiro corte ia para o desconto no vencimento para efeitos sindicais.

Fazer contas ao... sindicalismo docente.

Com base nesta  notícia, embora já com três anos, estima-se que haja cerca de 100.000 docentes sindicalizados. A uma média de 0,8% de desconto sindical no vencimento e regulando-nos até pelo vencimento de um professor contratado profissionalizado, tal colecta perfaz seguramente mais de 1 milhão de euros por mês! Mais de 13 milhões de euros por ano!

O comodismo, o desconhecimento e a insegurança pagam-se caro.

Numa altura em que se pedem contas às claras, talvez estas também pudessem ver a luz do dia!

O que é que os sindicatos fazem com o dinheiro?

Não haverá uma forma mais suave de representatividade?

Quando não estão reunidas condições de governabilidade, o governo, ou qualquer membro, demite-se ou é demitido. Não seria uma questão de bom senso que o mesmo princípio se aplicasse aos representantes sindicais que não cumprem? Não seria um contributo para reunificar a classe?

Não sustentável!