Autor

6 de março de 2012

Concursos - Um péssimo acordo para os professores contratados.

Com este acordo serão os professores contratados a pagar o inevitável reajustamento provocado pela Revisão Curricular, quer no ensino público, quer no privado. Que estes professores pagassem o reajustamento no público seria expectável, agora, a factura do particular, só lhes será apresentada porque foi conferida aos professores do privado com contrato de associação a 1ª prioridade na contratação e no concurso externo. 

Os patrões do particular agradecem a desoneração. Foi por eles que os professores do particular com contrato de associação ganharam o direito à 1ª prioridade, e não pelo pretexto de prestarem uma espécie de serviço público!

Também, com este acordo a renovação da colocação no próximo concurso será residual e nos próximos será muito menor, decorrente do Destacamento para Aproximação à Residência (DAR), dos professores do quadro, passar a ser concedido anualmente, o que provocará uma significativa movimentação de professores contratados.

Renovação da colocação por 4 anos continua.

Sempre defendi o fim da renovação da colocação, por considerar que esta desvirtua a graduação dos candidatos ao longo dos 4 anos de possível renovação. Infelizmente, agora, quando sentirem na pele, talvez outros professores contratados partilhem desta opinião, mas já vai ser tarde para arrependimentos.

15 comentários:

Marta disse...

Este acordo é uma vergonha para os sindicatos e para o próprio MEC. Concordo plenamente consigo ao dizer que este ano vamos ter muitas novidades e que muitos contratados vão "saltar" das renovações. É muito bem feito!! Há pessoas que não percebem que o que os beneficia hoje, pode prejudicá-las amanhã... Eu também sou contratada, há mais de 16 anos, e sempre fui contra as renovações.

Anónimo disse...

NINGUÉM JUSTIFICA PORQUE OS CONTRATADOS CONTINUAM A GANHAR NO 151

Leça F.C. Camadas Jovens disse...

RICO ACORDO...VEJAM O QUE ESTES ACÓLITOS DO SR. CRATO ASSINARAM:
- Manutenção dos critérios aleatórios (ao sabor da CUNHA) da contratação de escola (a entrevista vale até 50% da nota de candidatura)
- A 1ª prioridade dada aos professores das escolas do privado (contrato de associação) em igualdade aos que sempre trabalharam em escolas públicas. Que eu saiba não há concursos públicos para estas escolas privadas...rica igualdade..eu posso concorrer ao teu lugar mas tu não concorres ao meu lugar..
- Manutenção das renovações até 4 anos de duração. Mantém injustiça de haver pessoas com menor graduação a ultrapassar pessoas com mais graduação.
- No concurso para vinculo (2013/2014) os professores do privado vão ficar em 1ª prioridade (sem nunca terem um dia de serviço no público) e vão ultrapassar os colegas do público pelo tempo de serviço somado no privado. Reestruturação do sector privado feito às custas do sector público.
- Rescisão do contrato durante o período experimental equivale a impossibilidade de concorrer ao ensino público durante esse ano! Independentemente da razão evocada.. Incrível...sais do período experimental como qualquer trabalhador e/ou entidade empregadora pode fazer e és penalizado com a impossibilidade de poder concorrer a outros horários!
DIGAM-ME EM QUE É MELHOR ESTA PROPOSTA COM AS REGRAS ACTUAIS DO CONCURSO...OU VEM NA TROIKA TAMBÉM?PORQUE FORAM MEXER NAS REGRAS ACTUAIS?HAAA JÁ SEI PARA BENEFICIAR OS COLÉGIOS PRIVADOS...

BMG disse...

E como, pelo que diz a FNE "é considerado horário anual o que tiver início até 31 de dezembro e vigorar até 31 de agosto de cada ano escolar", poderá haver casos de pessoal a ser colocado em nov/dez com horário completo e anual e conseguir renovação... E se tem a sorte de ser numa escola não apetecível para pessoal do quadro que concorre a mobilidade...
Agora, ainda mais do que antes, acho que vamos ver mts injustiças nas renovações que vão existir...

Elisabete disse...

Mau, muito mau!! Nem acredito que a FNE assionou isto...

Elisabete disse...

Mau, muito mau!! Nem acredito que a FNE assionou isto...

Anónimo disse...

Boa noite colegas, sabem se saiu alguma coisa relativa à prova de ingresso para os contratados?? É que, se não estou em erro, o Crato afirmou que iria realizar-se ainda este ano...
MP

JP disse...

Estou de acordo, no essencial, com o POst. Para os docentes dos quadros existe apenas uma coisa interessante: a clarificação do horário zero, tal como escrevi no Aventar (http://aventar.eu/2012/03/06/analise-ao-acordo-entre-o-mec-e-alguns-sindicatos/). De resto, para os contratados, é tudo pior.

Anónimo disse...

a FNE assina sempre porque são todos do PSD. Informem-se!

Anónimo disse...

ATENÇÃO, Que os que têm renovado até agora, não poderão chegar aos 4 anos, só os que forem colocados no próximo concurso renovam a partir do ano seguinte... Os que assinaram contrato há 3 anos e os até ao ano passado assinaram que o contrato seria renovável até 3 anos no máximo, por isso findo esses 3 anos ou menos voltam para concurso.

educar A educação disse...

Caro comentador anterior,

Onde foi buscar essa ideia?
As colocações podem ser renovadas até 4 anos. Este ano pode haver renovações, porém, pelas razões apresentadas no post, serão muito menos.

Um abraço.

Anónimo disse...

A ideia está no papel, e quando se assina um contrato, esse tem o valor legal no tempo e conteúdo que é assinado, se o mesmo diz que só pode ser renovado até 3 anos, e a legislação na altura assim o obriga, logo não tem enquandramento legal a renovação por mais um ano (neste caso para o 4º ano de renovação). Aliás e a nova lei entra em vigor precisamente a partir do próximo concurso, inclusive quem ficar vinculado nesse concurso por contratação poder então ver o seu contrato renovado até ao limite que irá vigorar. No entanto concordo plenamente que irão ser ainda menos pelos motivos apresentados no artigo. Mas temos que ter em atenção a todos os aspectos legais pois já existem professores a iludirem-se para o 4º ano de renovação este ano. Saudações

Anónimo disse...

Aliás, apesar de não concordar com as reconduções, a existirem, acho que devem enquadrar-se de 4 em 4 anos ao mesmo tempo do concurso interno/externo.

educar A educação disse...

Caro comentador anterior,

Teria razão se houvesse renovação de contrato. Esse erro foi cometido há 6 anos, nas primeira renovações. Se reparar com atenção a legislação actual fala em renovação da COLOCAÇÃO. Porém é usual dizer-se, embora errado, renovação do contrato. Quem renova a COLOCAÇÃO assina novo contrato todos os santos anos.
Diga lá que os rapazes que fazem os diplomas para o MEC não são habilidosos...

Um abraço.

educar A educação disse...

Só mais uma nota, que me esqueci, o novo decreto-lei entra em vigor ainda este mês ou no próximo, dependendo da data de publicação em DR.
Pelo menos está escrito que:
Artigo 55.º
Entrada em vigor
O presente decreto-lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação.

Um abraço.