Autor

25 de maio de 2012

A autonomia das matrizes curriculares.

De acordo com as matrizes hoje tornadas públicas, e contrariamente às matrizes que tinham sido dadas como definitivas pelo MEC em 26 de Março, as de hoje vêm conferir autonomia aos directores para disporem da seguinte carga horária, consoante o ano de escolaridade:


5ºano: 95 minutos;
6ºano: 95 minutos;
7ºano: 90 minutos;
8ºano: 90 minutos;
9ºano: 90 minutos;
10ºano: 110 minutos;
11ºano: 110 minutos;
12ºano: 115 minutos.


Com isto poderá haver disciplinas beneficiadas e outras prejudicadas, podendo ocorrer os seguintes cenários:

2º ciclo: Línguas e Estudos Sociais (Português, Inglês e História e Geografia de Portugal) de 12 tempos, em cada ano, dados como definitivos por este MEC em Março podem passar para 10. Na Matemática e Ciências de 9 podem passar para 7, em cada ano.


3º ciclo: Português de 5 tempos, em cada ano, dados como definitivos por este MEC em Março podem passar para 4. As Ciências Humanas e Sociais (História e Geografia) podem perder um tempo por ano, assim como a Matemática e as Expressões e Tecnologias (Educação Visual, TIC, Oferta de Escola e Educação Física).

Ensino Secundário: Língua Estrangeira, Filosofia, Educação Física, a disciplina trienal nos 10º e 11º anos e as duas opções de 12º ano podem sair prejudicadas em 1 tempo por ano.


Atenção a isto.

2 comentários:

Leça F.C. Camadas Jovens disse...

É mais uma declaração de guerra na educação!Mais uma manobra contabilística do ministério para reduzir nos recursos humanos. Em Espanha há manifestações em curso mas aqui tudo se passa sem grandes ondas...é bem feito para a maioria silenciosa...quando não tiverem posto de trabalho já será tarde para contestar. Espero dentro de 10 dias poder dizer que mais nada quero com este país e povo (maioria) ignorante e acéfalo. O estrangeiro espera-me..

Ana disse...

Perante este cenário, proponho-me, sob o principio da autonomia habilidosa, a ir para uma escola "bem perto de mim", tocar ao badalo para ajudar a controlar. É que não sei se o "pseudo futuro Director" terá tempo para tal "gestão"!

Sempre "atentamente",

Ana