Autor

25 de maio de 2012

A Engenharia Curricular que sustenta a Revisão operada pelo MEC.


Consiste em passar os tempos lectivos de 45 para 50 minutos, dar aparentemente cerca de 2 tempos por ano de escolaridade para o director autonomamente gerir e "Se da distribuição das cargas em tempos letivos semanais, resultar uma carga horária total inferior ao máximo previsto, o tempo sobrante poderá ser utilizado no reforço de atividades letivas que promovam o desenvolvimento do aluno." (Frase retirada do último parágrafo das novas matrizes) 

Exemplificando a atribuição da carga horária a gerir pela escola:

5ºano: 95 minutos (1 tempo para atribuir + 30 minutos para acerto dos tempos de Educação Artística e Tecnológica + 15 minutos  para acerto dos tempos de Educação Física);


6ºano: 95 minutos  (1 tempo para atribuir + 30 minutos para acerto dos tempos de Educação Artística e Tecnológica + 15 minutos  para acerto dos tempos de Educação Física); 

7ºano: 90 minutos  (30 minutos para acerto dos tempos de Línguas Estrangeiras + 30 minutos  para acerto dos tempos de Ciências Físicas e Naturais  + 30 minutos de tempo sobrante); 

8ºano:  90 minutos  (25 minutos para acerto dos tempos de Línguas Estrangeiras + 30 minutos  para acerto dos tempos de Ciências Físicas e Naturais  + 35 minutos de tempo sobrante); 

9ºano:  90 minutos  (25 minutos para acerto dos tempos de Línguas Estrangeiras + 30 minutos  para acerto dos tempos de Ciências Físicas e Naturais  + 35 minutos de tempo sobrante);  

10ºano: 110 minutos (20 minutos para acerto dos tempos de Português + 30(35) minutos  para acerto dos tempos da opção Bienal 1 + 30(35) minutos  para acerto dos tempos da opção Bienal 2  30(20) minutos de tempo sobrante); 

11ºano:  110 minutos (20 minutos para acerto dos tempos de Português + 30(35) minutos  para acerto dos tempos da opção Bienal 1 + 30(35) minutos  para acerto dos tempos da opção Bienal 2  30(20) minutos de tempo sobrante);   

12ºano: 115 minutos  (1 tempo para atribuir + 30 minutos para acerto dos tempos da disciplina Trienal + 35 minutos de tempo sobrante).

Sabendo que a diferença entre os tempos de 45 minutos (das matrizes deste MEC de 26 de Março) e os tempos de 50 minutos (implícitos na maioria da carga horária mínima das novas matrizes de hoje) é de 4 tempos por ano de escolaridade, poderemos ter uma perda de:

5ºano: 3 tempos; 6ºano: 3 tempos; 7ºano: 4 tempos; 8ºano: 4 tempos; 9ºano: 4 tempos;  

10ºano: 4 tempos; 11ºano: 4 tempos; 12ºano: 3 tempos... 

...MANTENDO A CARGA HORÁRIA!!!


3 comentários:

Anónimo disse...

Nuno, se percebi bem, penso que esta alteração será uma forma escamoteada de aumentar a carga letiva dos professores. Por exemplo: uma disciplina que atualmente tem 2 blocos por semana (90+90=180 tempos)se passar para 3 aulas de 50m (50+50+50=150) sobram 30 minutos. Ora, se a escola entender que o professor deva dar mais uma aula de apoio por semana, como é que ficamos, já que não há tempos de 30 minutos? teremos que dar o apoio em 45 ou 50m. Logo, vamos trabalhar mais 15m (se esse tempo for de 45m) ou 20m (se for de 50m).
Queria que me confirmasse se o meu raciocínio está correto. OBG

Anónimo disse...

Conclusão: ou se mantêm os horários e os professores trabalham mais tempo ou se reduzem os horários e muitos vão para o desemprego. É o que me parece que quer o mec...

educar A educação disse...

Caro comentador das 12:58,

O problema é que com 150 minutos são 3 tempos de 50 e com 180 minutos eram 4 de 45 minutos. Os 30 minutos de diferença são para distribuir no âmbito da autonomia, logo perde-se 1 tempo lectivo!

ver também: http://educaraeducacao.blogspot.pt/2012/05/habilidade-dos-minutos-150-vs-180-e-250.html

Um abraço.