Autor

4 de julho de 2012

Governo reduz sem aviso salário de professores contratados


Docentes sofreram cortes nos vencimentos, em alguns casos superiores a 600 euros. Escolas receberam instrução das Direcções Regionais.

As escolas estão a reduzir o vencimento de professores contratados sem qualquer aviso prévio, por ordem das Direcções Regionais da Educação, depois de ter terminado o período de aulas. Uma situação, que segundo os professores, "nunca aconteceu até este Governo".
Em causa estão vários professores contratados de escolas de Elvas, Alcácer do Sal e de Alvito que foram colocados no início deste ano lectivo para um determinado número de horas. No entanto, os docentes assinaram aditamentos ao contrato inicial, que ainda está em vigor, para preencher as horas vagas nas escolas e estavam a cumprir um horário completo, que corresponde a 22 horas lectivas.

Contudo, estes professores contratados não receberam este mês o salário correspondente ao horário completo tendo sofrido um corte correspondente ao número de horas inscritas nos seus aditamentos, apesar de no seu recibo de vencimento - a que o Diário Económico teve acesso - constar as 22 horas. Redução que em alguns casos ascende a dez horas lectivas anuais e que se traduz numa diferença no salário de 624,15 euros.
Depois de terem pedido esclarecimentos junto das escolas os professores receberam uma circular interna da Direcção Regional do Alentejo, a que o Diário Económico também teve acesso, onde se lê que "tratando-se de horas lectivas aquelas que deram origem aos aditamentos ao contrato do docente, os aditamentos manter-se-ão enquanto a necessidade dessas horas se mantiver". 

Sem comentários: