Autor

quarta-feira, 14 de março de 2012

A opinião de Santana Castilho sobre a primeira prioridade.

Afinal não sou o único. Foi com satisfação que li a crónica de Santana Castilho no jornal Público e reparei que afinal o meu pensamento sobre o assunto não é uma ilha.
Aqui fica a transcrição de parte da crónica, onde é abordada a questão da primeira prioridade nos concursos externo e de contratação inicial e a sua relação com os interesses dos empresários do particular:
"É imoral que o ministro fale de equidade ao permitir que docentes do ensino privado concorram na primeira prioridade. O que fez foi beneficiar os empresários dos colégios privados, a braços com a retracção de alunos. O reajustamento no ensino privado será feito à custa dos professores contratados do ensino público: enquanto os colégios se vêem livres dos excedentes com mais tempo de serviço e por isso mais caros, milhares de docentes contratados do ensino público serão para sempre ultrapassados pelos colegas do privado. Equidade seria integrar nos quadros os docentes do público, precários há anos, como, aliás, PSD e CDS defendiam quando eram oposição e como acontece no ensino privado, por imposição do Estado."