Autor

Partilhar.

domingo, 6 de Maio de 2012

... para deixarmos de A ter, também nós já não somos.

Hoje, o meu pensamento vai para as mulheres. 
Toda a mãe é mulher, mas nem todas as mulheres são mães. 
Entendo todas,  as que têm, as que não podem, as que não querem, e mesmo as que "desistem" dos filhos, antes ou depois.

Recusando-me a entrar nas "jogadas sócio-comerciais" do dia de hoje, também entendo que para alguns é necessário 1 dia por ano para se lembrarem, ou para mostrarem que os lembraram, que têm uma mãe. 

Uma mãe tem-se, para deixarmos de A ter, também nós já não somos.

Mulheres que não querem filhos assumem cada vez mais essa opção

"Egoísta é quem quer um filho e depois não tem tempo para ele", diz Fátima Lopes, criadora de moda, que, à espera de ter tempo, deixou o tempo passar. "Eu precisava de ter tempo para ser mãe. Não é justo ter uma criança e depois entregá-la a uma ama", defende. E acrescenta: "Nunca houve uma decisão de que nunca iria ser mãe, mas, em simultâneo, também nunca foi uma obrigação." Agora "é que já não faz sentido", diz, aos 47 anos. 

Segundo Júlio Machado Vaz, psiquiatra, "até há pouco tempo, falar em "maternidade" era o mesmo que falar em "feminilidade", a mulher encarava-a como um imperativo biológico, um instinto - logo, como algo que acontece não por factores culturais". 

E hoje? "Já não se sentem destinadas a ter filhos e não se importam com o que dizem os outros. Muitas retardam a gravidez por questões de ascensão profissional. Sem culpa. E ainda bem. Há 30 anos, ninguém me dizia olhos nos olhos que não queria ser mãe. Agora, felizmente, já não temem ser julgadas", prossegue o especialista em Sexologia. 

Ana Correia, de 37 anos, confirma isso mesmo: "Não sinto essa necessidade, não sinto a falta de ter filhos, o tal "relógio biológico" não parece fazer parte de mim. Nunca tive grande à-vontade com crianças e, apesar de achar piada aos bebés de amigas, é porque não são meus, não são minha preocupação."

Também Ana Gonçalves, de 43 anos, diz não ser obrigatório ser mãe. "Ninguém tem forçosamente de ser mãe ou pai. Se sentimos que é isso que queremos, devemos fazer essa opção, livremente, e ter, mas para poder amar, cuidar, educar, formar, ou seja, ter com amor, mas também responsabilidade. Não ter filhos para depois entregá-los a alguém que faça tudo isso ou parte."

Estará o conceito de "instinto maternal" a priori definitivamente morto? "O instinto maternal foi demolido há muito por Fernando Savater. E mesmo o imperativo doutrinário da Igreja católica que obriga à procriação enfraqueceu. Há muitas católicas que aceitam a maternidade responsável e tomam a pílula alegremente", diz o psiquiatra. 

Para o médico, não há qualquer mal nas mulheres que não se sentem vocacionadas para ser mães. "Estão no seu direito, embora haja relações que terminam por isso." Porque muitos homens "querem muito ter filhos". Confissão de Júlio Machado Vaz: "Eu sempre quis." E teve. "Também há mulheres que acabam por ter filhos porque pensam que, por aquele homem, vale a pena", continua, mas lembra: "Pode correr bem ou não, também depende da partilha das tarefas entre o casal."

Para Maria Calado, 45 anos, a questão da partilha não foi decisiva, mas também não foi negligenciável. "É sabido que a responsabilidade e o trabalho recaem principalmente sobre nós, as mulheres. Mais ainda nos primeiros tempos. Isso pôs-me a pensar."

A auto-imagem às vezes também pesa, diz o sexólogo, pois "há pessoas que não querem "ficar virgens" dessa experiência [de ser pai ou mãe] e arriscam". A verdade é que alguns "não conseguem adaptar-se ao terramoto que é o aparecimento de uma criança". 

Já a seguir, quatro depoimentos de "não-mães". Sem julgamento.


Deixar o tempo passar


Neste momento, Fátima Lopes, de 47 anos, criadora de moda, não tem qualquer relação. Casou duas vezes. O primeiro marido não tinha filhos mas gostava de ter, o segundo já tinha quatro. Nenhum deles a pressionou. "Eu nunca tinha tempo. Pensei que, quando tivesse tempo, aconteceria, teria filhos. Mas não aconteceu. A minha vida sempre foi andar de um lado para o outro e achei que não era justo ter uma criança assim", diz Fátima Lopes, cujo trabalho sempre a absorveu "a 100 por cento".

"As minhas relações também não correram bem por causa da minha vida profissional, que deixa pouco tempo para a vida pessoal. Eu sabia que não poderia ser uma mãe como deve ser. A maior parte das pessoas recorre a uma ama, mas eu não acho justo." No entanto, ter filhos nunca foi uma necessidade: "Não sei o que é o tal "relógio biológico" que um dia faz as mulheres decidirem que querem ser mães. Isso nunca me aconteceu." Mas vive rodeada de crianças, "tenho oito sobrinhos". Três são sobrinhos-netos."O meu segundo marido tinha quatro crianças e portanto nunca senti que precisasse de ter um filho meu. E nunca aconteceu. Como as coisas estão agora, então é que, de todo, não me passaria pela cabeça", diz, bem-disposta. 

"A verdade é que nunca planeei. Nunca fiz planos a longo prazo. O que nos acontece, para correr bem, tem de ser natural", acredita. Também nunca sofreu pressões, excepto da... comunicação social. "Há uns anos, não havia entrevista que me fizessem que não terminasse ou começasse com uma pergunta sobre maternidade." E, considerando que, "na cabeça de muita gente, não ter filhos é quase uma aberração", indigna-se ao recordar dois artigos publicados na "imprensa cor-de-rosa". Num, chamavam ""subespécie humana" às mulheres que não tinham filhos", onde foi "acusada de não querer ser mãe para não estragar o corpo". Pergunta: "Isso faz algum sentido? Tem alguma lógica?" Noutro, disseram, num editorial, que "era egoísta". Resposta: "Egoísta é quem quer um filho e depois não tem tempo para ele." Mas conclui, com uma gargalhada sonora: "Digam mal à vontade, estou habituada." 

Só ela e o irmão mais novo não têm filhos, os outros três (dois irmãos e uma irmã) têm. "Deram-nos sobrinhos maravilhosos, o que é fantástico. Costumamos brincar um com o outro e dizer: "Obrigada aos manos, que puseram tantas crianças na nossa vida"."


"Somos olhadas de lado"


Ana Correia, de 37 anos, consultora de informática, tem o mesmo companheiro há oito anos. Começaram a viver juntos há seis, casaram há cinco e moram em Carnaxide. "Não houve algo específico que me fizesse não querer ter filhos. Encarava como natural, mas nada que ansiasse ou visse como "destino"." Com o passar do tempo, a vontade foi diminuindo.

Segundo Ana Correia, "definitivamente, há preconceitos da sociedade com as mulheres que optam por não ter filhos". Porque "saem do percurso "normal" da mulher, que é casar e ter filhos". As que não querem "ou têm algum problema, ou são estranhas, ou são egoístas, e são olhadas de lado". Não ter filhos "não é considerado uma opção tão válida e politicamente correcta como ser mãe, decidir uma coisa ou outra não nos torna melhores nem piores que as outras". 

E dá um exemplo de "privilégios" das mães. "Se uma mãe sair à sua hora normal, seis da tarde, ninguém diz nada porque tem de ir buscar os filhos, tratar deles em casa, etc. Uma "não-mãe" tem o quê para fazer em casa? Não há-de ficar a trabalhar até mais tarde porquê?"

Chega a pensar que "seria muito mais fácil também querer". Isto porque se vai questionando: "Há uma dúvida lá no fundo sobre se realmente não estarei a cometer um erro e, se tivesse filhos, esqueceria tudo o que penso agora." Profissionalmente faz consultoria informática "de SAP, um sistema integrado de gestão empresarial", explica, e diz: "Não me vejo a mudar a minha vida toda por causa de uma criança, gosto do que posso fazer ou não fazer, sem essas preocupações. E como não consigo simplesmente acreditar que a pessoa muda depois, não posso arriscar a ver se afinal gosto, porque, se não gostar, não dá para devolver..."

Ana Correia não se sente pressionada pela família: "Não escondo a minha opinião e o meu marido também não está interessado em ter filhos." No início, "falavam mais". Agora, referem-se menos ao assunto, mas recorda o argumento mais recente da sogra: "Quando soube de uns amigos nossos que vão ser pais, comentou: "Vocês também deviam pensar nisso, ou ficam sozinhos." Normalmente não passa disto." Também os amigos e colegas "lá vão dizendo que depois vou sentir falta, que compensa tudo o resto, aquelas coisas bonitas que realmente só se sabem quando se está na situação". O que mais a aborrece nos comentários sobre a sua escolha são as frases: "Vais-te arrepender" e "é tão bom, depois passam-te as dúvidas todas". Fica perturbada: "Irrita-me que isso me deixe a pensar se será verdade."


Falta equilíbrio emocional


Vive em união de facto há 12 anos, em Setúbal, e diz ser "uma pessoa emocionalmente muito instável". Por isso, Maria Calado, de 45 anos, bolseira de doutoramento em Hidrogeologia, não arriscaria ter um filho. "Acho a maternidade uma coisa extremamente séria. Assusta-me quando penso, não tanto na responsabilidade de criar um filho, mas naqueles primeiros tempos em que a criança é pequena. E sei que não tenho equilíbrio emocional. Tem sido um processo constante de trabalhar nisso." Também não "é uma questão de não gostar de crianças, mas sim uma questão pessoal". 

Nunca se sentiu muito pressionada, "as pessoas não se alargam muito nessa matéria, a pergunta "quando é que têm filhos?" surge porque, na cabeça delas, é normal que se tenha filhos". Por isso considera que a primeira abordagem "é natural, sem qualquer intenção". Depois, são capazes de ir pensando "nunca mais vêm bebés" e voltam a dizer. "Se calhar não é para pressionar nem chatear, mas só para lembrar", diz, a rir-se. 

A pressão maior veio dos amigos: "Quando as minhas amigas começaram a ter filhos, começou a insistência: "Mas quando é que tu tens?" Chega uma altura em que a pessoa se começa a sentir um bocado pressionada." Torna-se cansativo, mas não se sente mais motivada por isso. "Está muito claro na minha cabeça que não quero ter filhos. Mas há pessoas que não distinguem a linha que separa o querer ajudar e o já se estarem a imiscuir numa coisa que não lhes diz respeito."

Às vezes, reage: "Houve alturas em que, se calhar, estava mais maldisposta e terei respondido torto. Qualquer coisa como: "Não me chateiem, esse é um assunto que não vos diz respeito, não vai interferir com a vossa vida em nada." E noutras alturas terei dado uma resposta mais leve, provavelmente levando para a brincadeira."

Com o passar do tempo, entram as questões biológicas: "Como o corpo já não está tão apto para a maternidade, já não perguntam tanto. E depois habituam-se e pensam: "Quando ela dizia que não queria ter filhos, estava a falar verdade." E acabam por chatear menos."

Diz nunca ter sentido preconceitos, "pelo menos de forma muito ostensiva", mas admite que existam. Para Maria Calado, "as mulheres têm todo o direito a não ser mães, se for esse o desejo delas". E argumenta: "É uma coisa que não vai interferir na vida dos outros. Só implica a própria pessoa e, eventualmente, o companheiro ou companheira. É da esfera íntima de cada um." E conclui, descontraída: "Se me sentisse infeliz, se calhar experimentava."


Não temos todos de ter filhos


Ana Gonçalves é revisora de textos jornalísticos, literários e de materiais escolares, tem 43 anos, vive em união de facto há 15 anos e mora no Montijo. "Nunca achei que nascêssemos todos para casar e ter filhos ou que devêssemos fazer exactamente tudo o que os outros fazem", diz ao PÚBLICO por email. E acrescenta: "Nunca senti um desejo especial ou incontrolável para ter filhos." 

A família começou por pressionar, mas depois acalmou: "No início da relação que tenho, sentia uma espécie de pressão para termos filhos. Os irmãos e cunhados estavam sempre a perguntar quando é que teríamos um bebé ou quando é que iriam ser tios ou quando é que daríamos primos aos seus filhos..." A dada altura, pararam: "Eu disse-lhes que escusavam de estar sempre a fazer perguntas dessas porque, se um dia resolvesse ter filhos, eles seriam todos informados."Sem ter a certeza de haver preconceitos contra as mulheres que não querem ter filhos, conta a reacção de algumas pessoas: "Às vezes, quando digo que é apenas uma opção, que não é por motivos de saúde ou outro impedimento que não tenho filhos, há quem mostre alguma surpresa e de repente fique a pensar: "Ah, afinal não temos todos de nos reproduzir?""

Ana Gonçalves defende que "cada um deve viver ou tentar viver de acordo com a sua vontade e com o que o faz feliz", por isso agrada-lhe a frase "ser mãe não é obrigatório". "É isso mesmo, ninguém tem forçosamente de ser mãe ou pai." 

No final, contrariando a ideia feita de que quem não quer ser mãe não gosta de miúdos, diz: "Gosto muito de crianças, tenho muitos sobrinhos e afilhados e adoro-os. Costumo dizer: "Ainda bem que nem toda a gente pensa como eu, senão o mundo acabava e era uma pena".
in Público, 6 de Maio de 2012