Autor

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Sem desenho, mas com lista, para que todos entendam a injustiça das renovações.

O mecanismo de renovação da colocação dos professores contratados está revestido de uma imensa injustiça, à qual este MEC, e a maior parte dos professores, mesmo que contratados, são insensíveis.

Para que de uma vez por todas entendam do que se fala quando se refere a injustiça das renovações das colocações, façam o favor de abrir a lista apresentada em baixo, tenham por referência a cor amarela das renovações, e reparem quantos melhor graduados não são "amarelos" (não renovaram), e quantos pior graduados renovaram!

Não é por a lista apresentada não ser do vosso grupo de recrutamento que deixam de entender a dimensão da injustiça.

Numa lista com cerca de 2000 professores, há cerca de 500 renovações, onde, por exemplo, os graduados na posição 2, 6, 7, 11, 13, (...), não renovam, mas onde o 1714 e o 1934 renovaram!!!

Em relação ao nome Educação do Ministério, é caso para dizer: "Olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço". 

E assim se educa uma sociedade...

Legenda: A amarelo encontram-se os colocados em renovação de colocação, a verde os colocados em 31 de Agosto e a branco os colocados nas 13 bolsas.

Nota: Esta lista só foi possível graças a um trabalho inexcedível do Arlindo Ferreira, autor do Blog Dear Lindo, onde o mesmo foi publicado, com a colaboração pontual da colega Elisabete "na ordenação dos candidatos colocados em renovação de colocação."