Autor

segunda-feira, 18 de Junho de 2012

E os "CAPetentes" são...


Próximo ano letivo vai ser dedicado à Ciência

"O próximo ano letivo (2012/2013) será dedicado à Ciência, segundo o documento divulgado, esta segunda-feira, pelo Governo para "prestar contas" do primeiro ano de governação e enquadrar as várias medidas. 

Nos anos seguintes, o Ministério da Educação e Ciência (MEC) pretende dar seguimento a esta ideia para destacar outras áreas temáticas. Literatura, Artes Plásticas e Música são os exemplos avançados.
Para estreitar a ligação entre a educação, a ciência e a cultura vai iniciar-se o programa "O Mundo na Escola".
Através de um conjunto de ações adequadas aos diferentes níveis de ensino, o programa "fará chegar a todos" conhecimentos, conceitos e obras fundamentais nas várias áreas da ciência e da cultura.
Pretende-se "criar um clima que contribua para a consolidação de conhecimentos" e que fomente a curiosidade dos alunos "pelo mundo físico e cultural".
O MEC tenciona aproximar a população escolar das instituições e dos profissionais que trabalham no domínio científico, através de diversas atividades, "rentabilizando os melhores recursos".
No âmbito do Plano Nacional de Leitura, será preparada uma seleção de clássicos da literatura portuguesa para o ano letivo que vai iniciar-se em setembro, em articulação com a Secretaria de Estado da Cultura e com divulgação na rede de bibliotecas escolares e nas bibliotecas municipais.
Será igualmente elaborado um reportório de filmes para integrar um ciclo de cinema nas escolas dos diferentes níveis de ensino.
No documento indica-se ainda que a semana da leitura do próximo ano letivo será dedicada ao tema "Mar", num trabalho conjunto com a Secretaria de Estado do Mar e o Projeto "Portugal Oceano".
in JN

Mixórdia de Temáticas (versão MEC).

"O Ministério da Educação tenciona aplicar provas de exame a mais disciplinas, de acordo com o documento divulgado, esta segunda-feira, pelo Governo para fazer o balanço de um ano de atividade e enquadrar as medidas. 
O Governo diz estar em curso o reforço da avaliação externa do processo de aprendizagem pela introdução de provas externas finais de ciclo "e em mais disciplinas, com maior nível de clareza, exigência e rigor".
O atual ministro Nuno Crato sempre defendeu que Portugal não tinha um verdadeiro sistema de exames e decidiu aplicar já este ano letivo uma prova final no 2.º Ciclo (6.º ano), que se estenderá ao 1.º Ciclo (4.º ano) no próximo ano letivo.
As provas (atualmente realizadas a Português e Matemática no Ensino Básico) contam 25% para a nota final do aluno no ano de transição, passando a valer 30% nos restantes, tal como os exames do secundário e as provas finais do 9.º ano.
O Ministério da Educação e Ciência (MEC) estima também que no próximo ano letivo se eleve para 60 o número de novos contratos de autonomia a celebrar com escolas.
Nas anteriores legislaturas, havia 22 escolas com contrato de autonomia. Segundo o documento, o processo legislativo para rever este modelo está em fase de conclusão.
O MEC pretende que o contrato assente em "objetivos e incentivos" definidos por si e pela comunidade escolar para que as escolas possam abrir-se a "projetos educativos diferenciados e credíveis".
No âmbito da seleção inicial de professores, para integrar no sistema "os mais bem preparados e vocacionados," prevê a realização de uma prova de acesso à carreira cuja componente comum deve ter lugar em dezembro deste ano.
A realização das componentes específicas da prova de avaliação de conhecimentos de acesso à profissão docente decorrerão entre fevereiro e abril de 2013, "a tempo dos próximos concursos de recrutamento de professores", lê-se no documento.
Em curso está também, de acordo com o documento, a transferência de algumas competências das direções regionais de Educação para as escolas até 31 de dezembro deste ano, no âmbito dos novos contratos de autonomia.
A erradicação do abandono escolar está na meta do MEC para "idades inferiores a 15 anos", através da sinalização dos alunos em risco e intervenções articuladas a nível local.
Neste sentido, será também reavaliado o programa das escolas inseridas em Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP), atualmente 105, segundo informação do MEC.
Vão manter-se os projetos do Plano Nacional de Leitura (PNL) com maior adesão e melhores resultados ao nível das escolas. Já o Plano de Ação da Matemática vai acabar por falta de resultados objetivos.
in JN