Autor

28 de março de 2013

Um poleiro, um cata-vento...

Nuno Crato:


Quando é próprio a dar o lamiré da limitação da sua palavra, jamais a sua narrativa voltará terá credibilidade. 

Por mais que rode o cata-vento o poleiro fica no mesmo sítio.

Sem comentários: