Autor

23 de maio de 2013

Dia 7 de Junho também haverá greve de professores


"A Fenprof vai antecipar a greve às avaliações para dia 7 de Junho que se vai estender durante a semana seguinte - 11, 12, 13 e 14 de Junho. O pré-aviso de greve será entregue amanhã no Ministério da Educação."

8 meses depois...

Recuperando o post de 9 de Dezembro de 2012:



Enquanto aguardo resposta por parte de instância superior, aqui vos deixo uma resumida cronologia dos factos:

31/08/2012 - Fui colocado na escola X com horário incompleto, onde também ficou um horário completo, para o mesmo grupo de recrutamento, por atribuir;
13/09/2012 - Sai a primeira Reserva de Recrutamento e o horário completo por atribuir não foi a concurso;
17/09/2012 - O meu horário foi completado. O então horário completo passa a incompleto e teria de ir a concurso;
20/09/2012 - Colocação administrativa, com horário completo, de outra colega contratada para o mesmo grupo de recrutamento;
21/09/2012 - O meu horário volta a ficar incompleto alegadamente para ser possível atribuir horário completo a outra colega também contratada colocada depois de mim 20 dias!"

Entretanto a resposta ao recurso hierárquico apresentado à DGAE foi favorável e decisiva para a reposição da legalidade.

E eis que, hoje, 23 de Maio, chega, via recibo de vencimento, a confirmação do cumprimento da ordem da DGAE, ei-la:



Por fim, para além do testemunho que espero que sirva para encorajar docentes mais acomodados a um pretenso poder, quero deixar uma palavra de consôlo a quem no início do ano lectivo pediu junto da direcção que não me fosse atribuída nem mais uma hora lectiva, e a quem da direcção pediu a uma colega com direito a redução de horário que não o exercesse para não ter que me atribuir mais horas. 
À "sub-directora" e à "representante de disciplina" aqui ficam as minhas palavras de reconhecimento e carinho. Um bem-haja.

Não temas, não temas audaz covarde! A vida pode parecer uma tragédia de perto, mas de longe é uma comédia.Rodrigo Cardoso Ulguim.(Trecho do livro Redenção)

22 de maio de 2013

Professores sem horário podem ser colocados em qualquer escola


"Proposta inicial para a mobilidade especial dá poder ao Governo de colocar um docente com horário zero em qualquer ponto do país alegando “interesse público”.
O Ministério da Educação quer ter o poder de colocar os professores com horário zero (sem turma atribuída) em qualquer escola do país, independentemente do seu lugar de origem, sem que se realize qualquer concurso. E pretende que a medida entre em vigor já a partir de Setembro."


Ler mais: http://economico.sapo.pt/noticias/professores-sem-horario-podem-ser-colocados-em-qualquer-escola_169692.html

14 de maio de 2013

Para inCAPtente ler: os docentes contratados NÃO são obrigados a frequentar ações de formação contínua de professores para efeitos de ADD

Questão 9. São os docentes contratados obrigados a frequentar ações de formação contínua de professores para efeitos de avaliação do desempenho docente?
Não. A circunstância do docente contratado não ter frequentado com sucesso ações de formação contínua de professores não o impede de ser avaliado. Neste contexto, a classificação da avaliação deverá ser atribuída considerando somente as ponderações previstas nas alíneas a) e b) do n.o 2 do artigo 21.o do Decreto Regulamentar n.o 26/2012, de 21 de fevereiro, devendo o seu somatório corresponder proporcionalmente a 100% da classificação final.



21 Janeiro20132º conjunto de questões sobre a avaliação de desempenho docente.pdf



12 de maio de 2013

Ministério da Educação admite aumentar horário de aulas dos professores


"Subir o número de horas que os docentes têm de estar em sala de aula ou alterar as reduções letivas a que os professores mais velhos têm direito são cenários possíveis."


Ler mais aqui

4 de maio de 2013

40 horas - mais 2 a 3 horas lectivas - menos cerca de 12000 professores

Educação com corte de 756 milhões de euros até 2015


"Estes cortes têm apenas em conta as medidas sectoriais que irão ser aplicadas, não incluindo a poupança que o Governo pretende realizar por exemplo através das desvinculações e da  mobilidade especial (892 milhões de euros), que é o regime que espreita os professores que no próximo ano lectivo fiquem sem turmas para ensinar, ou com o aumento do horário de trabalho para 40 horas ( 612 milhões).
(...)

Se o aumento da componente lectiva for proporcional ao do horário de trabalho (14%) isso significará “mais duas a três horas de aulas” para os professores, o que levará a que fique em causa o trabalho de cerca de 12 mil docentes, alertou." 
  

1 de maio de 2013

Minguar à míngua...


"Em 2015 poderá haver menos 40 mil professores nos quadros do que em 2006 – o ano do último concurso em que entrou um número significativo de docentes para a carreira. O país passará assim de cerca de 130 mil professores para 90 mil."