Autor

19 de janeiro de 2013

Do surgimento sindical


"(...) o secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof) acusou mesmo o ministério de Nuno Crato de já ter, há meses, 15 mil professores  sinalizados como candidatos à inclusão na mobilidade especial -- aqueles  que constavam da primeira listagem de horário zero divulgada pelo Ministério  da Educação e Ciência (MEC), em julho. 

"O MEC já tem sinalizado cerca de 15 mil professores desde julho com horário zero, para poder cumprir aquilo que o FMI veio dizer, conjugando os dois relatórios. Isto também nos faz concluir que estes relatórios do FMI não são nem tão recentes, como tem sido divulgado, e que o trabalho  do MEC não vai ser feito a partir de agora, mas já começou a ser feito para  trás", afirmou Mário Nogueira."

Federação Nacional da Educação em tribunal pela integração dos contratados

"Nas próximas terça e quarta-feira, a Federação Nacional da Educação (FNE) vai recorrer aos tribunais para tentar resolver a situação dos professores que estão a contrato há mais de três anos consecutivos, uma situação que contraria a lei em vigor em Portugal e directivas comunitárias.

As acções serão entregues nos tribunais administrativos e fiscais de Lisboa, Beja, Funchal e Porto e, segundo a FNE, “visam reconhecer o direito” daqueles docentes “à conversão dos seus contratos de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado”.

Hoje no Público: Para milhares de professores o tempo da escola está a acabar