Autor

Partilhar.

quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2014

"That's all Folks!"


As publicações neste blogue estão suspensas por tempo indeterminado. 

Sim, por tempo indeterminado, nada a termo, nem certo, nem incerto!

domingo, 23 de Fevereiro de 2014

O lodo da contratação de escola

Dois concursos de contratação em simultâneo

Acontece até 31 de Dezembro a par com outro concurso de contratação docente - a reserva de recrutamento. O facto dos dois concursos acontecerem em simultâneo faz com que, ao aguardarem por melhor colocação, os candidatos atrasem a colocação do candidato seleccionado no caso da contratação de escola, e que no caso da reserva de recrutamento o horário vá a concurso até duas vezes se dois candidatos de duas colocações sucessivas não o aceitarem, por exemplo, por conseguirem melhor horário em contratação de escola. 
Acabar com a contratação de escola era a solução, não havendo vontade e força política para tal, aqui ficam outros problemas e respectivas propostas de solução.


Permissão de candidaturas a docentes do quadro

Embora seja uma situação que pode levar à perda do lugar do quadro, há docentes do quadro que concorrem à contratação de escola. Nuns casos chegam mesmo a aceitar o horário, o que leva a anulação da colocação, e noutros casos em que não chega a haver aceitação da colocação, o colega do quadro está a tirar o lugar, numa tranche de cinco (geralmente na primeira), a um colega contratado que deveria ser considerado para aplicação dos critérios de selecção.
Penso que deve ser fácil não disponibilizar no SIGRHE a aplicação de contratação de escola aos colegas do quadro, resolvendo-se este ponto.


Página do agrupamento/escola não disponível na Internet 
Alguns agrupamentos/escolas não cumprem com as publicações obrigatórias na página da Internet, em alguns casos porque não a têm, porque a mesma foi descontinuada, ou então  porque criaram uma página tão recentemente que ainda não aparece nos motores de busca online.
Criar um campo no SIGRHE onde a agrupamento/escola tenha que inserir o link da sua página na Internet resolverá este ponto.


Não publicitação da lista ordenada no SIGRHE

Após o fim da fase de candidatura o primeiro procedimento a tomar pelo agrupamento/escola é descarregar do SIGRHE a lista ordenada. Por vezes, ou não a publicam na página do agrupamento/escola, ou tardam em fazê-lo. Vezes houve em que até publicaram informação pessoal dos candidatos.
Se a DGAE disponibilizar aos candidatos o download da lista ordenada no SIGRHE evita-se um passo desnecessário e ganha-se tempo.


Desactualização da lista ordenada

Muitas vezes ainda a lista ordenada não foi publicada e já se encontra desactualizada porque, por exemplo, alguns dos candidatos que dela constam já se encontram colocados.
A par com o que proponho anteriormente, uma lista ordenada disponibilizada no SIGRHE com possibilidade permanente de desistência dos candidatos tornava o processo mais célere e eficaz.


Morosidade da análise curricular ou da entrevista de avaliação de competências

Não faz sentido usar a capa da autonomia para fazer passar o processo por qualquer um destes dois passos demorados, atropelando-se, mesmo assim, na maioria dos casos, os prazos previstos no CPA. Num país de gente séria, os trapezistas ficavam sem rede quando a autonomia fosse o trampolim para o clientelismo.
O respeito pela lista ordenada evita este ponto.


Custos de deslocação para uma entrevista de avaliação de competências

Para além do referido anteriormente não faz sentido professores desempregados terem despesas para comparecer a entrevistas inúteis de Norte a Sul do país.


Não conhecimento da mancha horária

Alguns colegas que são colocados com horário incompleto quer por contratação de escola, quer por reserva de recrutamento, recorrem à contratação de escola para completar o seu  horário baseando-se apenas no número de horas a concurso. Quando estes colegas ficam na tranche seleccionada, para responder aos critérios de selecção podem fazê-lo sem saber se a mancha horária a concurso é compatível com a do seu horário. Estes colegas chegam mesmo a ser seleccionados sem conhecer a mancha horária, e depois, como é óbvio, se a mesma não for compatível não podem aceitar o horário atrasando o processo de selecção.
A publicação do horário ou da mancha horária aquando da introdução dos dados do horário a concurso evitava algumas candidaturas que só atrasam o processo.

quarta-feira, 12 de Fevereiro de 2014

Alterações nos concursos de professores já no próximo ano lectivo

"O ministério quer também que, a partir do próximo ano, as contratações ao nível de escola sejam mais rápidas, e vai «tomar medidas para agilizar e tornar mais eficaz a contratação de professores», prometendo «alterações legislativas, no sentido de dar às escolas um instrumento que proporcione a estabilidade necessária na contratação de escola», independentemente de terem, ou não, contrato de autonomia.
As medidas a adotar serão alvo de negociação com os sindicatos, que já foram convocados pelo ministério, para discutir a matéria."

quinta-feira, 30 de Janeiro de 2014

A morte anunciada do concurso nacional de professores


Assinados 30 novos contratos. Actualmente há 212 escolas com autonomia.

Um mau exemplo: Avaliação Curricular transforma-se em Entrevista de Avaliação de Competências

No âmbito do concurso de contratação de escola, fica aqui um mau exemplo de um Agrupamento que seleccionou na plataforma da DGAE a Avaliação Curricular como o modo a avaliar os candidatos seleccionados, e que após o final da candidatura convoca os candidatos seleccionados para uma Entrevista de Avaliação de Competências, espante-se, para Avaliação Curricular!



Um bom exemplo: Entrevista de Avaliação de Competências via Skype

Fica aqui um bom exemplo de um Agrupamento que se dispõe a realizar a entrevista de avaliação de competências, no âmbito do concurso de contratação de escola, via Skype caso algum docente a solicite.


http://www.limafreitas.org/site/images/documentos/concursos/n_70%20entrevistas%20grupo%20520.pdf

terça-feira, 21 de Janeiro de 2014

Judiciária faz buscas em colégios do grupo GPS (Vídeo)

Blog DeAr Lindo: Colocações em Horário Anual Desde 2005/2006

Colocações em Horário Anual Desde 2005/2006

Judiciária faz buscas em colégios do grupo GPS

"O presidente do grupo GPS é António Calvete, ex-deputado socialista, que chamou para a instituição ex-secretários de estados e ex-directores regionais de educação quer do seu partido, quer do PSD. Entre os colaboradores e funcionários figuram José Canavarro e Paulo Pereira Coelho, ex-secretários de Estado do Governo de Santana Lopes. E também os directores regionais de Educação de Lisboa e do Centro, respectivamente José Almeida e Linhares de Castro."
Ler aqui: http://www.publico.pt/sociedade/noticia/judiciaria-faz-buscas-em-colegios-do-grupo-gps-1620493 

segunda-feira, 20 de Janeiro de 2014

A produtividade do concurso de contratação de escola: 3 horários aguardam a decisão do mesmo candidato!

Código Escola/Agrupamento Nº Horário Número de Horas Data final de candidatura Estado do Horário Candidato Selecionado  Data Seleção
401936 Escola Secundária Inês de Castro, Canidelo, Vila Nova de Gaia 18 22 16/01/2014 Horário Ocupado 3499314924 19/01/2014 18:53:43
160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira, Aveiro 10 18 16/01/2014 Horário Ocupado 3499314924 20/01/2014 09:47:09
152900 Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior, São João da Madeira 30 18 16/01/2014 Horário Ocupado 3499314924 20/01/2014 12:45:59

domingo, 19 de Janeiro de 2014

No blogue: Educar & Portugal

OS PROFESSORES CONTRATADOS NÃO ACEITAM SER MARIONETAS – A DESMONTAGEM DE UMA FRAUDE MONTADA DE FORMA APRESSADA!


Esta forma como o MEC vem impor a vinculação dos professores é absolutamente um conjunto de pedregulhos atirado aos olhos da opinião pública e, porventura ainda pior, à Comissão Europeia.
 Senão vejamos:
Crato e a sua equipa quer que aceitemos que docentes. com 10, 15 ou 20 anos de serviço sejam excluídos de uma vinculação só por não terem tido a sorte de cair numa escola TEIP ou outra equivalente na benevolência, inquinada pelos amiguismos em concursos à medida do parente próximo ou do amigo do amigo, onde lhes tivessem sido renovados contratos sucessivos.
Crato e a sua equipa querem que estes professores, muitos com duas décadas de ensino cumpridos na angústia da precariedade e de horários incompletos (muitos longe de casa sabe Deus Nosso Senhor onde), que não possam vincular por falta dessa sorte das renovações aleatórias tal como aleatórias foram as colocações em concursos idos.
Escalpelizando o teor da sacanagem do processo de vinculação decidido para os não vinculáveis no corrente ano e que fiquem à espera de 2015, da história dos cinco contratos anuais seguidos e completos exigidos para tal, suponhamos o seguinte cenário absolutamente possível:
Um professor (seja o José) que tenha três contratos ou até quatro com horários completos e seguidos mas tenha intercalados outros incompletos e novamente volte a ter mais 3 contratos seguidos completos e anuais, acrescendo ao facto de este ano não ter tido a sorte de ficar com horário completo, apesar de vergado pelos seus 20 anos de serviço ficará excluído da vinculação, melhor dizendo, torna-se numa sombra do que já foi porque deixará de ter lugar pelo mérito da velhice!
Pelo método de seleção agora imposto, haverá sempre um(a) colega (seja a Maria) com menos anos de serviço e menor graduação profissional, que vinculará só pelo facto de ter tido a sorte de cair numa escola com uma Direção “simpática ou amiga, muito!…”, e que assim viu renovados os contratos necessários, ano após ano. O Zé, o tal dos 20 anos de serviço, não vinculará, a Maria sim!
Com as regras corruptas que estiveram em vigor nas contratações de escola fabricadas a preceito pela tutela e gulosamente aproveitadas por muitas Direções das escolas para dar emprego aos afilhados, tudo pode acontecer agora como se vê!
A Maria até pode efetivar, mas o Zé TEM DE EFETIVAR, senão o mundo estará virado às avessas!
Outra questão que se coloca prende-se com o facto de a Diretiva 1999/70-CE impor a vinculação do trabalhador ao fim de quatro anos sucessivos a contrato, que deveria ter sido aplicada em Portugal a partir de 2001. Em lado algum se exige que o trabalhador tenha que ter tido horário completo, isso é uma invenção à boa maneira portuguesa para fugir às responsabilidades. Ora, há também centenas senão milhares de professores que apesar de nunca terem tido horários completos trabalham há mais de quatro anos para a mesma entidade patronal, ou seja, o MEC, e muitos há nestas condições há mais de dez anos. Então estes professores vão ser excluídos? Não podem!
Crato acha mesmo que os professores como o Zé, os Zés, se vão calar com estas aberrações legislativas que os vão atirar para o desemprego?!
 Não sabe Crato que muitos destes professores têm filhos para criar, que são professores que estão na casa dos 40-50 anos de idade e já perderam a paciência para lhes tirarem o emprego, enfim uma parte imprescindível da sua dignidade?!
Quer Crato vincular todos aqueles docentes que têm mais de quatro anos de serviço, ou prefere que comecemos já a falar das indemnizações devidas a todos os milhares de professores que estiveram a contrato desde 2001 apesar de terem mais de quatro anos de serviço docente? Sim, este aspeto não está esquecido, como é óbvio!
Enfim, enquanto autor da petição apresentada quer no parlamento nacional e que deu origem à Resolução 35/2010, quer da apresentada no Parlamento Europeu em 2009 que deu origem a este processo de vinculação extraordinária de professores, não aceitarei que os professores contratados sejam ludibriados por um processo armadilhado que lhes rebentará nas mãos ao longo dos próximos anos. Sim, porque da maneira que Crato quer, é isso que se verificará, pois só excecionalmente os professores cumprirão os requisitos da malha apertada deste processo de vinculação imposto.
Já se percebeu que ao chutar para a frente a vinculação dos que vêm depois da vinculação extraordinária que se avizinha, impondo 5 contratos anuais em horário completo, Crato e sua equipa querem claramente de forma velada excluir o máximo de professores do sistema, mesmo tendo mais de quatro anos de serviço.
 A receita é simples: “se não queremos que esses professores entrem nos quadros, vamos continuar a política de cortes a direito nos currículos, de agregações de escolas, de aumento de alunos por turma, etc, enfim a receita habitual, para evitarmos que haja emprego para estes professores na calha da vinculação. E deixámos-los cair por essa via como folhas secas em tarde ventosa de outono, ponto final!”
Crato e sua equipa estão profundamente equivocados. Os professores contratados estão com os olhos bem abertos e ouvidos alerta mais que nunca, porque agora trata-se mesmo de sobrevivência profissional e parte da outra.
Corrija-se Crato e conversamos a seguir!

Jorge Costa (Ex-Professor Contratado, Professor do Quadro há vinte anos, que efetivou num tempo em que os professores ainda eram respeitados!)

quarta-feira, 15 de Janeiro de 2014

ad duo

Termina o ad duo. O fim do blogue, uma referência na análise construtiva e na elaboração de materiais de apoio relacionados com a legislação portuguesa na área da Educação, deixa "orfãos" muitos professores e directores que procuravam no ad duo as respostas a muitas das suas dúvidas e problemas.
Altruísmo, dedicação, ponderação, conhecimento, rigor e partilha, são algumas das muitas palavras que podem caracterizar o trabalho com que os autores do blogue nos presentearam nos quatro anos de existência do ad duo
Aos seus autores "desejo os melhores sucessos pessoais e profissionais" (citando Paulo Prudêncio).


terça-feira, 14 de Janeiro de 2014

Crato admite vincular mais professores aos quadros

"O ministro da Educação, Nuno Crato, admitiu hoje vincular aos quadros mais professores contratados com vários anos de serviço, embora sem avançar datas para um novo procedimento de admissão de docentes.
"Com certeza. É possível, mas eu deixaria isso para uma comunicação posterior deste ministério", disse o ministro quando questionado pela agência Lusa sobre a possibilidade de virem a ser integrados mais professores nos quadros em situação precária há vários anos, através de um procedimento a desencadear nos próximos tempos."
Ler mais: http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=3631702&page=1

Menino...